segunda-feira, 29 de abril de 2013

NINHO VAZIO????


Outro dia eu estava sentada à mesa do Zahia do Deck Norte, quando uma leitora passou por lá e me pediu para escrever sobre esse tema!

Ela passou correndo, era sua corrida hora do almoço. Pelo que entendi está passando por essa fase em que os filhos começam a sair de casa.

Na hora, lembrei da minha primeira cena, quando meu filho primogênito saiu de casa.. e foi difícil, pois ele nem completara 17 anos e já tinha sido aprovado no vestibular da USP em São Paulo. Era um misto de alegria, orgulho e dor da partida precoce de um filho adolescente que tão cedo entregamos ao mundo, com nosso coração apertado, sem saber se um dia teremos ele de novo conosco morando em nosso lar.

Sentimentos também de incerteza se lhe demos a melhor educação.. se a bagagem de amor, carinho e orientação para a vida foram suficientes para a jornada que eles ainda não sabem, mas nós, como pais, sabemos que eles irão encontrar…

Minha leitora passou correndo, como correndo são os nossos dias e apressados são os nossos filhos para a corrida da vida que lhes espera!

Nessa hora, vale lembrar as sábias palavras do filósofo libanês Gibran Khalil Gibran

"Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
Ama também o arco que permanece estável."

Ela passou por mim correndo também como uma flecha…

E eu continuei sentada almoçando na companhia da minha filha e sócia, que um dia também saiu de casa e agora está à espera de sua primeira filha…

segunda-feira, 8 de abril de 2013

CASA DO LAGO, REFLETINDO, NAS AGUAS DOURADAS, A ALMA DA GENTE



Trimmmm… Chegaram? Então acende todas as luzes… Dá licença, que eu vou recebe-los…  E é assim,  com esse jeito de quem recebe os amigos em casa, que a prima Diva, recebe seus hóspedes na Casa do Lago.

A minha história desse magnífico final de semana começou quando eu inventei de investigar sobre a história da família Cassis, da migração, e da sua relação com o sacerdócio na Igreja Ortodoxa, já que Cassis, não é necessariamente, um sobrenome, mas significa que houve na família algum sacerdote. Fomos criados  em Brasília, longe da família do meu pai,  que é toda do estado de São Paulo. Depois que ele se foi, com a abertura do Zahia e posteriormente com a minha aproximação da Igreja Ortodoxa e da comunidade árabe, veio a curiosidade de investigar mais sobre as minhas raízes árabes, sobre a história da migração. 

E foi aí que descobri a Diva Nassar, filha da tia Chafika Cassis, que era irmã do meu avô Miguel Nassif Cassis e, fiquei sabendo, também prima e muito amiga da minha avó Zahia.

E que descoberta... é ela, a Diva, a proprietária da Casa do Lago, que fica na região sudoeste do estado de São Paulo. Para a minha alegria, ela estava durante a semana em São Paulo e fui visita-la na casa de sua irmã mais velha, a Violeta. Lembrei daquela casa na Vila Madalena. Fui lá quando criança, que nas minhas lembranças infantis era um casarão, que me impressionara pela suntuosidade e pela amorosidade da receptividade das primas. Eu tinha nove anos, mas lembrava-me do corrimão dourado da escada, dos deliciosos doces servidos e da cabecinha branca da matriarca.

O papo alegre naquele almoço de terça-feira  tornou-se numa
gostosa identificação, pelas históricas raízes gastronômicas da família. Do gosto pela culinária, do jeito de receber os clientes, até às dificuldades enfrentadas, como todas nós empresárias enfrentamos, percebi naquele bate-papo  informal  que aquele encontro não ficaria por ali…

Não preciso dizer mais nada… fui parar no feriadão da Semana Santa naquele pedaço de paraíso

Indescritível sensação de chegar  lá e ser recebida pela Diva, pela equipe, pela natureza, pela casa, que envolve e aconchega... cada detalhe, uma história.  Desde o quadro pintado pela irmã Odete, até os ninhos de passarinho e a casa  de marimbondo,  tudo tem história naquela casa!

História da Diva, história do campo, que é a história da vida de gente como a gente! De gente que vive e sofre, e guarda as lembranças das músicas e dos filmes, das histórias que a vida nos faz viver: "eu sou do tempo do ban-daid no calcanhar, do whisky com guaraná", ela fala, fazendo questão de oferecer seus drinks para os hospedes que, invariavelmente, acabam se tornando amigos e acabam voltando, pois realmente adotam a Casa do Lago como a sua casa de campo!

Para mim foi uma agradabilíssima descoberta... fui buscar raízes históricas. Confesso que não consegui descobri muitos dados concretos, mas pude constatar uma coisa muita importante: nosso tempero, o autentico tempero libanês, tradicional do sul do Libano permanece o mesmo. 

É a tradição familiar que passa de mãe para a filha, de sogra para a nora. A cebola dourada da mjadra, a combinação de cebola com hortelã para o quibe e alho com canela para o charuto… segredos da cozinha libanesa. Só quem entende a fundo a cozinha árabe consegue distinguir essa diferença. Não existe apenas uma cozinha árabe. Quibes, charutos e esfihas todos fazem, mas a autentica cozinha libanesa tem suas peculiaridades na especificidade do tempero, de acordo com a região... e isso eu pude constatar nessa visita à Diva e à sua requintada Casa do Lago. 

Ambas as cozinhas tiveram em sua origem as matriarcas Chafika e Zahia. Duas amigas e cunhadas... e ficávamos lá, eu e a Diva, sentadas na mesa, estrategicamente posicionada ao canto, enquanto ela cuidadosa Chef, e proprietária, observava todos os detalhes do atendimento aos seus seletos clientes, conversando sobre sabores e temperos. 

E eu de vez em quando viajava no tempo, imaginando que um dia, talvez, lá no passado, em Catanduva, minha avó Zahia e a tia Chafika, tomando café, sentadas à mesa trocavam também suas receitas e comentavam sobre o preço da berinjela e do tomate e as novidades e dificuldades de se encontrar os temperos para comprar…

Chegar na Casa do Lago e parar para conversar, para parar de pensar na vida... para sentir o cheiro de mato, para sentir a brisa, para olhar o por de sol refletindo no lago, para olhar o ceu estrelado em dia de lua nova

A alma da gente pede

A alma da gente precisa viver isso de vez em quando!

Porque num lugar como esse, a gente pode conhecer o mais importante que existe, que é o mais íntimo da gente, quando se pára no tempo e nos permitimos sentir!

Apesar do acesso pela Sky à programação da TV e a uma variedade de DVDs à nossa disposição, não deu vontade de fazer outra coisa, a não ser dormir bastante, levantar cedo para acompanhar a ordenha do gado, caminhar pela região. Quem queria ia andar de bicicleta, a cavalo e charrete, tomar sol e conversar à beira da piscina.

O grupo é seleto, o papo é bom... aqui ninguém se sente sozinho. A natureza acolhe a gente, a Diva nos acolhe e todos nos acolhemos uns aos outros, numa intima comunhão de pessoas que se fazem como velhos conhecidos, que talvez nunca mais venham  a  se encontrar. Mas certamente ficará, na troca desse encontro de fim de semana, uma lembrança de gosto de antigamente,  de gosto da terra de gente que tinha tempo para parar o tempo para as coisas essenciais da vida. 

Esquecer que o relógio anda, que a vida corre! 

A natureza é santuário soberano, que nos leva ao nosso templo interior!  Leva-nos a entrar em contato com a preciosa essência divina, intima nossa e do outro que está ali, diante de nós!

Obrigada Diva, por esse Encontro!

Por esse Espaço, por esse Santuário!



sábado, 6 de abril de 2013

Pensando bem….sabe que é melhor assim?

E eu toda faceira, agora que sou avó, fui à São Paulo visitar o Martín!

Mas já fui logo prevenida: Não será possível hospeda-la!

-"Como assim???" me perguntaram, "você foi visitar o seu neto e não ficou na mesma casa?"

-"Não", eu respondia com tranquilidade. 

E sabem? Achei ótimo! Fui pro hotel e dormi bastante… coloquei o meu sono em dia! Visitei meus amigos e primas, fiz as coisas que gosto de fazer em São Paulo!

Esse é o novo modelo de maternidade e paternidade. Pai e mãe cuidam juntos do bebê e as avós, que antes ajudavam, agora ficam à parte. Muito melhor assim!

Antigamente o cuidado com os filhos era encargo das mulheres. E como um recém nascido dá trabalho!!! Por isso era papel da avó ajudar… O pai ficava à parte. Nem havia licença paternidade!!!

Hoje os tempos são outros. Os pais, felizmente, estão assumindo o seu papel no cuidado com os filhos, desde antes do nascimento. Participam da gravidez, e até do tradicional chá de bebê, que agora, virou "chá de beber", com a maciça participação masculina. Uma verdadeira festa para comemorar antecipadamente a chegada da criança, receber antecipadamente os presentes, evitando as visitas logo após o nascimento, quando todos estão envolvidos e meio atrapalhados com a chegada do novo participante da família.

Dessa forma, com o pai participativo, o papel da avó, que antes era mais ativo na ajuda aos cuidados, passa a ser não menos necessário, mas diferente.

Na minha visão, como matriarca, nós, as avós, que atualmente temos muitas outras atividades, nos realizamos com a chegada de nossos netos, sim! E que delícia, apreciar essas criaturinhas adoráveis e rever nas carinhas e nos gestos, renascer neles os nossos antigos bebês…

Mas também temos outras realizações. Não podemos restringir nossas vidas apenas a curtir netos, com os risco de nos tornarmos insuportáveis, ansiosas ao extremo, chatérrimas!

Precisamos estar ali, prontas para caso precisem de nós… mas é tão melhor ver que eles, os pais, sabem  cuidar tão bem de seu filho!! É tão bom saber que eles realmente não precisam de minha ajuda… ufa!!! que alívio!!! 

Esse é o novo modelo… e quem ainda não percebeu, está fora de moda… pai que não cuida de filho, que se cuide… daqui a pouco a mãe arruma um "tio"que ele vai chamar de pai… vó que quer dar palpite demais na vida dos netos, também se cuide… os tempos mudaram, no seu tempo era diferente, sim, com certeza… mas quem deve decidir sobre a vida dos filhos, são os pais. 

Assim como não é saudável os pais viverem só em função dos filhos, também não é saudável, os avós viverem só em função dos netos. Na terceira idade é importante buscar outras atividades: esportes, grupos de convivência, artes, projetos sociais etc. Ter seus próprios programas e compromissos…

E os netos?? Visitar, amar, presentear, paparicar… amor nunca é demais… orar por eles e abençoa-los… sem medida! Esse, para mim é o verdadeiro papel dos avós!