segunda-feira, 27 de agosto de 2012

PSICÓLOGO - PROFISSÃO OU SACERDÓCIO?

"Mas você já faz curativo na alma…" Essas foram as palavras da orientadora vocacional para mim, quando eu tinha 15 anos de idade. Ela havia me indicado o curso de medicina e eu argumentara que não conseguia nem fazer um curativo em outra pessoa. Não suportava ver ferimentos. Mas havia dito a ela que participava de trabalhos sociais da igreja. Nunca me esquecerei daquele dia.  Foi com a saudosa psicóloga Edith Bensusan, que naquela época, ainda nem era formada em psicologia. Foi no ano de 1969. Ela era Orientadora Educacional do então Ginásio Moderno. Anos depois, quando eu mesma estudava Psicologia, foi que Edith Bensusan formou-se Psicóloga.

Edith Bensusan foi a primeira Psicóloga que influenciou a minha carreira, naquele dia, em que eu nem sabia o que era psicologia. E hoje, dia do Psicólogo, quero homenagear a ela e a todos os meus mestres e terapeutas, todos os que influenciaram o meu caminho e que me ajudaram a chegar até aqui.

Foram muitos… não teria como citar todos. Pois além dos professores, desde a Escola Normal, onde começou o meu gosto pela matéria, depois a graduação, depois tantas especializações…

Mas hoje, dia do psicólogo, quero homenagear também as psicólogas Corinta Maciel, minha primeira terapeuta, Christina Freire, que me supervisionou e me ensinou a ser terapeuta e o psicólogo Moacir Rodrigues, meu mestre e analista junguiano que me acompanhou por mais tempo.

Esses quatro, sem desmerecer todos os outros profissionais que também influenciaram o meu caminho, sem duvida, foram os que mais me marcaram e me ensinaram a ser terapeuta.

À Corinta, Christina e Moacir, que eu sei, acompanham os meus escritos, quero mandar o meu abraço no dia de hoje!

O que forma um bom terapeuta não é somente o seu conhecimento cognitivo. Independente da abordagem ou a área com que escolha trabalhar, o profissional ético, competente e coerente, deve submeter-se ao processo de psicoterapia, de análise, mesmo que opte em trabalhar nas diversas áreas da psicologia. Um dos principais instrumentos do psicólogo é a sua própria percepção e para que tenha  segurança para perceber o outro e as situações com clareza é necessário conhecer-se. É preciso investir em seu auto-conhecimento.  "Conhece-te a ti mesmo" É a primeira inscrição no portal de Delfos.

Além da graduação em Psicologia, é bom que saibam aqueles que se submetem aos processos, é longo o caminho que nós os terapeutas percorremos. É necessário um curso de especialização, no início ser supervisionado por um profissional mais experiente, estar sempre atualizado, participar de congressos, estar sempre sendo também cuidado por outro profissional mais experiente. Tudo isso exige investimentos. Por isso, uma hora de psicoterapia, que pode parecer cara para quem paga, na realidade nem sempre corresponde aos altos custos do investimento que é feito pelo psicólogo.

Os planos de saúde não valorizam o trabalho do psicólogo e chega a serem vergonhosos os valores que muitos deles pagam pelos serviços.  Muitos psicólogos trabalham por vocação, como um "sacerdócio"… precisam ter algum outro emprego ou renda, pois não conseguem sustentar-se só com o seu trabalho como psicólogos.

Eu estava neste ponto da minha escrita, quando parei para mudar o título deste post… pois de um relato para homenagear meus mestres e terapeutas, já estava a lamentar as dificuldades, os espinhos da profissão…

Foi quando recebi uma mensagem de um analisando, que transcrevo:
"parabéns pelo teu dia. Dia do psicologo!
Te agradecer pela profissional ética e cuidadosa que vc é!
Médica da alma, que com tuas "alquimias", cura nossas feridas.
Resgata de dentro de nos os"unguentos" que precisamos para seguir bem nossa caminhada.
Deus te abencoe e te ilumine!"

Fiquei feliz!  Apenas feliz! Um tipo de felicidade que vem de dentro, de saber que estou cumprindo minha missão. Que estou realizando o que vim realizar. A vocação que foi identificada aos quinze anos de idade está sendo cumprida. E isso é o que nos faz realizados. Como Maslow coloca, há diversos níveis de necessidades. A penúltima é a de reconhecimento e a última a de realização. Eu considero que já tenho alcançado esse último nível. Pois não são elogios, nem pagamentos, nem riquezas que me realizam, mas quando vejo a transformação do outro, a transformação verdadeira, a alquimia acontecendo, a cura verdadeira, da alma e do corpo, isso sim, me realiza, me completa! Isso sim, nutre a minha alma e me dá a certeza de que o caminho que escolhi trilhar, é o caminho da minha alma, é o caminho que já estava escolhido para que eu trilhasse, antes mesmo que eu soubesse escolher.

Parabéns a todos os psicólogos, formados e a todos os que não sendo formados, o são por vocação! Que Deus nos abençoe em nossos caminhos, enfermeiros que somos de almas, pois o verdadeiro médico, sabemos, não somos nós….

terça-feira, 21 de agosto de 2012

OÁSIS PARA A ALMA




Em meio ao burburinho de comerciantes e ambulantes disputando espaços e fregueses, gritos e produtos… entre sacoleiras se esbarrando, tropeçando trôpegas nas calçadas descalçadas, entre ruas esburacadas e mal cuidadas… escondida entre armarinhos, lojas de tem-tudo, bancas e semáforos… surge um portal com um nome…

Um nome de Santa! Um nome de Mãe! Um nome que acolhe, que abriga: Nossa Senhora!

Quem chega, logo acende uma vela! É o costume dessa Igreja,  Ortodoxa. Eu pouco conhecia e sabia sobre ela… mas há muito que ela me chamava, mal sabia eu, através do meu gosto pelos ritos antigos, pelo gostar de incenso e dos cantos sacros.

Fui buscar, num certo tempo, no budismo, esse meu gosto, mas não foi lá que me encontrei. Nem tão pouco na Igreja Católica Romana! 

Para mim, o verdadeiro templo espiritual, é o o nosso templo interior. O Self, o lugar do Sagrado dentro de nós. Cada um vivencia de uma forma própria, de acordo com as suas experiências de vida, de família, de infância. Na Igreja protestante tradicional, onde fui criada, sempre gostei dos hinos tradicionais. Eles me remetiam à minha infância e adolescência, época em que me apeguei muito à religiosidade. A melhor congregação, na minha opinião, é aquela em que nos sentimos bem, aquela em que nos sentimos fazendo parte do grupo, em que nos sentimos amados e acolhidos.

Mas na minha busca, sempre senti que algo me puxava para mais longe, lá para o oriente, para aquelas bandas de lá… onde Jesus nasceu e de onde vieram os meus avós! Foi de lá também que veio essa Igreja, que fiquei conhecendo outro dia, nessa minha visita a São Paulo, cidade que leva o nome de um dos santos que fundou essa igreja na cidade de Antioquia, que era antes na Síria, o país da minha avó Zahia! Uma Igreja que mantém a simplicidade do Cristianismo original, fraterno, ritual!

Já bem velhinho, foi que meu pai contou-me de suas lembranças. Ele foi batizado na Igreja Ortodoxa. Lembrava-se do cheiro do incenso, do ritual. Deve ser por isso que eu  me senti tão bem naquela missa. 

Um oásis para a alma, em meio a tanto tumulto comercial!

Uma parada sempre necessária em nossa vida!

Para mim, esse é um dos  papeis da Igreja em nossas vidas: não para nos fazer trabalhar, mas para nos fazer PARAR DE TRABALHAR! Para nos obrigar a DES CANSAR! Nossos CORPOS e nossas MENTES!

Um dia, uma hora para esquecer problemas, esquecer tudo e só SENTIR.

O incenso e a música sacra nos ajudam a entrar em contato com as sensações e estimular hemisférios cerebrais ligados à espiritualidade. Forma-se uma egrégora, que nos envolve, nos hipnotiza diante de Deus, diante do Sagrado que habita em nós!

A Eucaristia nos lembra a dádiva maior de Deus, o Seu Grande Amor por nós. O repartir do Pão, a preocupação e o cuidado. "O pão nosso de cada dia"… Ao final, o pão da missa é distribuídos aos presentes.

Saí alimentada!
Saí de lá nutrida!
Minha alma preenchida!
Mais do que pão para o corpo, pão para a alma!


Escrevi esta crônica quando visitei a primeira Igreja Ortodoxa do Brasil, que fica na Rua Basílio Jafet, no centro de São Paulo. O pároco é o Padre Ibrahin, egípcio, que pintou alguns dos novos ícones da Igreja. Visitei também a Catedral que fica ao lado da estação Paraíso do Metrô. Em Brasília a Igreja fica na QI 9, no Lago Sul. é uma Igreja rica em simbologias, ritualistica,  que conserva o Cristianismo original, fraternal.  Ao contrário do que se pensa, não é a "igreja dos árabes",  a maioria é de brasileiros que hoje se identificam e são bem recebidos! Vale a pena conhecer!


Para saber mais sobre a Igreja Católica Apostólica Ortodoxa de Antioquia:
http://www.catedralortodoxa.com.br
http://www.ecclesia.com.br
http://ortodoxia-psaltis.blogspot.com.br
Igreja Ortodoxa em Brasília

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

DONA CACILDA




Dona Cacilda… Era assim que todos a chamavam…

Nunca vou me esquecer daquela mulher de olhos claros, idéias firmes, posturas coerentes, temente a Deus!

Mulher virtuosa! Mulher de visão! Mulher empreendedora! Mas não para si! Não para enriquecer… empreendedora para a expansão do Reino de Deus!

Chegou em Brasília em 1957. Primeiro veio só! No poeirão em meio à construção de Brasília, procurou a Capela-escola da Igreja Metodista. Ficou ali por alguns dias, pesquisando todas as condições que aquela nova cidade em construção oferecia e voltou para buscar a família. Quando chegou aqui  no início de 1958, conforme me contou, trouxe  a sua família, todo o material para a construção da casa, toda a mudança e os mantimentos necessários para os primeiros meses.

Que mulher sábia! Que mulher planejadora! Que mulher de fé!

Dona Cacilda Rosa Bertoni, foi uma das pioneiras de Brasília! Foi a primeira Enfermeira a chegar no Distrito Federal e foi quem organizou o atual Hospital de Base.

Foi uma das fundadoras da Igreja Metodista no Distrito Federal, desde o primeiro ponto, no Núcleo Bandeirante e depois, quando morava na Asa Norte, foi quem começou uma Escola Dominical no bloco onde morava, dando origem à Igreja Metodista da SQN 406.

Dona Cacilda foi Prefeita da SQS 114. Recebeu com mérito o título de Cidadã Honorária de Brasília.

Poucas linhas não são suficientes para contar quem foi Dona Cacilda. Nem ao menos o livro de sua biografia carinhosamente preparado pelo seu filho, Carlos Horácio, vai dar para contar quem foi essa extraordinária mulher…

Só quem conheceu Dona Cacilda sabe do que estou falando… Ela passava, para todos, LUZ!

Sua vida foi LUZ! Ela iluminava a todos nós!

Hoje ela descansou junto ao Pai!

Sou grata a Deus pela vida de Dona Cacilda!

Sou grata pelo privilégio de te-la conhecido, de ter ouvido suas sábias palavras e conselhos!

Sou grata porque ela deixou esse rastro de luz entre nós! O perfume do amor de Deus que exala e envolve nossos corações!

As sementes que ela plantou entre nós, em nossas mentes e corações floresceram, se tornaram árvores frondosas e se multiplicaram em frutos saborosos que produzem sementes e também se multiplicam infinitamente.  Nós, suas discípulas e discípulos, suas filhas e filhos espirituais, somos incontáveis, criados, não só com palavras, mas pelo seu exemplo de vida coerente, severa e amorosa!

Descanse em paz, no Senhor, Dona Cacilda! Os anjos do Senhor a recebem com louvor! Os céus se alegram com a sua chegada!

Todos nós choramos a sua partida. Mas em nós a sua vida se perpetua pelas sementes que floresceram  em nossas vidas! Agradecemos ao Pai, abençoados que fomos pela presença de sua vida santificada entre nós!



Minha homenagem à Cacilda Rosa Bertoni 1919-2012  
Meu afetuoso abraço aos queridos amigos Carlos Horácio, Silvia e Cesira, seus filhos, seus cônjuges e seus filhos.

Culto de Ação de Graças, sábado, dia 18 de agosto, às 11h, na Igreja Metodista da Asa Norte, localizada na SQN 406 – Área Especial 1, onde o corpo será velado a partir das 9h. O sepultamento será realizado às 14h30 no Cemitério Campo da Esperança(704-A)

Foto cedida por Quico Fagundes - tirada por ocasião do aniversário de 80 anos de seu pai, Aldo Fagundes. Quico  contou que naquele dia, no final da festa, enquanto esperava o taxi, Dona Cacilda se deliciava na mesa dos doces… "mas Dona Cacilda", disse o Quico, "e a senhora pode estar comendo doces assim?" com esse sorriso maroto, ela respondeu… "tenho que aproveitar que estou longe dos filhos"…  Naquele dia tive a grata oportunidade de também sentar com ela e conversar longamente…. quero guardar comigo essa lembrança!