segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Mensagem Patriarcal de Natal do Novo Patriarca João X (Yazigi), Patriarca da Igreja Ortodoxa de Antioquia e todo o Oriente.



A meus filhos em todos os extremos desta Sé Apostólica.

Estas festas salvíficas chegam a nós em meio a acontecimentos pelos quais nossa Igreja Antioquina deve passar. Em primeiro lugar a perda de nosso Pai e Patriarca Ignatios IV, que foi nosso Pastor com esmero e fidelidade por várias décadas. Sua memória permanecerá em nossas mentes e corações constantemente e será eterna junto a Deus, a quem ele serviu por toda a sua vida. Nossa igreja também sofre com as condições trágicas que nosso povo experimenta como consequencia da violência e desordem que imperam na região.

Quis a graça do Espírito Santo que meus irmãos do Santo Sínodo me elegessem o sucessor neste Pontificado Maior, ainda que eu não me sinta digno do mesmo, porém minha fé em Deus e confiança em vocês, irmãos e filhos de minha Igreja, me fortalecem e me fazem ver com esperança o auxílio divino que me permitirá superar as adversidades e avançar para um futuro melhor.

Em meio a estes acontecimentos vocês deixaram em meu coração a certeza de haver vivido este período como o povo do Deus Vivo, o que vocês demonstraram com três atitudes: com seu sentimento, expressar suas condolências por meu antecessor; com a oração, jejum e a esperança durante o período anterior à eleição; e, finalmente, com a alegria, o júbilo e a paz que se manifestaram após a eleição. Tudo isso me faz estar agradecido e orgulhoso de vocês, e a manter a fervente esperança no Corpo Indiviso de nossa Igreja.

E é assim que o Menino vem a nós na gruta, para morrer por nós e nos lembrar de que Ele está conosco, que nos fala e confia em nós para transmitir a mensagem de paz e amor que Ele divulgou a cada um de nós e a todo o mundo. Ele vem a nós humildemente, chamando à porta de nossos corações com cuidado, como se quisesse nascer neles.

O Natal não é somente a comemoração do nascimento de Jesus em uma gruta, da Virgem Mãe de Deus, mas também deve ser a festa de seu nascimento em nós, o que acontecerá se nos esforçarmos por chegar à pureza da Virgem Maria. O nascimento de Jesus em nós deve nos fazer renovar nosso compromisso com seus ensinamentos e nosso esforço por ser sua Igreja sem mancha e sem fraqueza, mas pura e resplandecente com seu Santo Espírito. Assim, estaremos conscientes de que a Igreja de Cristo é nossa Mãe e que os Pastores e os fiéis são chamados a ser seus apóstolos, convidando seus irmãos no mundo à reconciliação e à não-violência, para que prevaleça a paz.

O mundo não se convencerá se não sentir o amor abundante dos discípulos de Jesus e seu serviço a ele.

A Igreja é nossa mãe. Cada um de vocês é importante e seu lugar nela é único. Vocês têm o direito de pedir a seus Pastores uma boa pastoral; e o Pastor, em todos os níveis de seu Ministério, deve sair ao encontro dos fiéis, ouvir seus problemas e se esforçar por ajudá-los e por responder a seus questionamentos existenciais.

Vocês que obedecem à Palavra de Deus e se esforçam insistentemente por identificar-se com Ela, também têm o direito de opinar e propor soluções para os assuntos da Igreja, uma vez que todos os filhos, junto ao Senhor da família, velam pelo futuro desta mesma Família.

Este Natal chega a nós quando muitos dos filhos de nossa Igreja estão dispersos, longe de seus lares e sofrendo muito. Temos o dever fraterno de acolhê-los e acompanhá-los, não somente com dinheiro e a assistência material necessária, mas também servindo-os com carinho e caridade.

Este Natal chega a nós quando nosso povo enfrenta muitas mudanças e desafios em um mundo que se vale cada vez menos dos valores tradicionais, fazendo uso da violência, do desejo de consumo e da posse de uma nova lei de vida. Os gastos excessivos que acompanham essa festa, a festa do Pobre de Belém, devem ser uma advertência que nos conscientizem de que temos submetido nossas vidas a valores semelhantes; e assim como nos acostumamos a oferecer mutuamente presentes como os Reis Magos fizeram com o Senhor Jesus, expressemos também nosso amor pelo Filho de Deus que vem a nós, da maneira como Ele nos convidou: dando de comer ao faminto, visitando o enfermo, hospedando o desamparado e oferecendo-lhe tudo que esteja a nosso alcance.

Este Natal chega a nós quando muitos em nossos países se questionam quanto a seu futuro. Irmãos, o Menino do Presépio dos diz: “Não temam, porque eu estou com vocês; não temam, porque vocês são irmãos, chamados à colaboração e à assistência mútua; não temam, porque vocês são o povo destas terras nas quais Deus quis que vocês nascessem, desde a Antiguidade. Não temam, porque aqui vocês têm muitos irmãos que vivem segundo o amor e o bom convívio. Não temam nem desanimem, mas recebam a todos com apreço, alegria e plena confiança em seu Deus, que é o Deus do Amor e que é, Ele próprio, o Amor. Sejam instrumentos da reconciliação e do diálogo sincero.

Celebramos este Natal com todos os nossos irmãos cristãos.

Rezamos por eles, para que Deus nos permita aprofundar o diálogo com todos eles e para que cheguemos à união que Deus deseja e sem a qual o mundo não crerá que Jesus foi enviado pelo Pai.

Celebremos também com nossos irmãos muçulmanos, os quais reverenciam a Cristo Senhor e professam seu nascimento virginal da Virgem Maria, assim como Deus dispôs. Portanto, os fazemos partícipes de nossa festa se soubermos dialogar com eles no diálogo da vida, da convivência e do acordo sobre os conceitos que nos unem em nossa religião e nosso mundo.

Irmãos, prostremo-nos ante O Menino do Presépio que quis habitar entre nós.

Não me resta mais que dirigir-me a nossos filhos que fixam seus olhos em nós em todo o mundo, a nossos filhos no Golfo Árabe, na Europa, na Austrália e nas Américas. Vocês estão em meu coração desde que os conheci em minhas viagens e os encontrei em meu trabalho pastoral. Vocês são realmente a verdadeira expressão da apostolicidade de Antioquia hoje nos países nos quais vivem. Seu amor por Antioquia e seu modo de viver a fé me comprometem hoje mais que antes a nos unirmos no serviço da Igreja e a oferecermos um testemunho vivo de nossa unidade e amor. Assim, seremos testemunhas do Senhor no mundo, e nossa Igreja Antioquina será fiel à sua história, a qual resplandece com a luz de seus mártires e Santos.

Não há outro caminho para nós, senão a santidade, que torna tudo possível.

Envio-lhes minha bênção apostólica, afirmando que levo cada um de vocês em meu coração, e peço a Deus que me faça seu servo fiel em favor de vocês e que trabalhemos juntos para a glória de Deus no homem que Ele amou e na Igreja que leva seu Nome neste mundo.




Da Sede Patriarcal em Damasco, em 20 de dezembro de 2012.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

TRANSFORMANDO PROBLEMAS EM OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO - O CAMINHO DA INDIVIDUAÇÃO


Queridas amigas e amigos,

Convido a todos para esta palestra aberta e gratuita para encerrarmos o ano de 2012, nos encontrando e refletindo um pouco sobre esse tema. Por favor, ajudem a divulgar e convidem seus amigos!
Meu afetuoso abraço e até lá!
Dulcinéa
.


TRANSFORMANDO PROBLEMAS EM OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO

O CAMINHO DA INDIVIDUAÇÃO

PALESTRA COM DULCINÉA CASSIS*
A palestra é baseada na visão da Psicologia Analítica e, em especial, nas evidências apontadas pela psicologia arquetípica de James Hilman.  
Nessa visão, sugere-se que ao invés de encarar as dificuldades como "problemas" ou "traumas", colocando-nos no papel de vítimas, devemos refletir sobre os desafios que enfrentamos na vida e entender os processos internos envolvidos. 
Será possível perceber que é possível transformar essas dificuldades em oportunidades de desenvolvimento pessoal, tornando-nos, cada vez mais, quem realmente somos, ou seja, vivenciando o processo de individuação, apresentado por C.G. Jung.


DULCINÉA CASSIS - 
Psicóloga, Analista Junguiana, escritora, Chef, empresária (Zahia Café & Kebab)
Autora do livro "Bola de Cristal e Varinha de Condão"- Para entender, transformar e amar - LGE Editora, Brasília 2009


Dia 28 de novembro às 19 horas 
no auditório da Biblioteca Nacional de Brasília 

domingo, 11 de novembro de 2012

COISAS & SENTIMENTOS...

O final do ano já se aproxima… parece que entramos num funil que vai se estreitando e nossas agendas, quando percebemos, já estão lotadas! 

 Eu tenho meus rituais de final de ano! Um deles é o checkup. Esse ano, resolvi começar mais cedo. Parece que todo mundo também... ou os meus médicos estão ficando cada vez mais conhecidos (acho que vou parar de fazer propaganda deles). Só consegui agenda na endocrinologista para o final do mês… 

 Outro ritual é a limpeza dos armários e a arrumação da casa. Não gosto de entrar o ano novo com coisa velha. Com coisas que não uso. Se na minha casa não tem uso, em alguma casa alguém deve estar precisando. Sem percebermos, vamos guardando coisas das quais não precisamos. Quando começamos a achar que precisamos de mais espaço (a não ser que a família esteja crescendo), pode ser um sinal de alerta de que estamos guardando coisas que não precisamos guardar. 

 Guardar coisas sem uso dificulta a vida da gente! Dificulta a arrumação do armário. Atrapalha achar aquilo que realmente você precisa. Você acaba esquecendo que tem tal coisa e acaba comprando uma peça similar! E quando compra, não tem espaço para guardar! 

 Quem costuma guardar coisas das quais não precisa, deve ficar atento, pois às vezes pode estar guardando sentimentos também dos quais não precisa… Muitas vezes são sentimentos de mágoa, ressentimentos que só fazem mal a si mesmo. Quando carregamos esse tipo de sentimento dentro da gente não deixamos espaço para fluir novos e bons sentimentos. Não deixamos espaço para fluir o amor! 

Uma boa maneira de começar a mudar tudo isso é nos desfazendo das coisas antigas! É mais fácil lidar com coisas materiais, concretas do que com sentimentos e emoções. Mas quando iniciamos esse movimento de nos desapegar de coisas e sentimentos dos quais não precisamos, algo diferente começa a se mover dentro de nós. 

Organizar armários e nos desfazer de coisas antigas é um ótimo ritual para organizar a nossa vida diária e começar a refletir sobre nossos sentimentos e emoções! 

Uma boa ocasião para se fazer isso é essa época! Além de se preparar para o final de ano, evitar compras desnecessárias, nessa época há muitas instituições promovendo bazares de venda ou mesmo distribuição aos mais necessitados. 

Assim, além de ajudar a si mesmo, se desfazendo de coisas desnecessárias e trabalhando o seu desapego, você estará contribuindo com instituições e pessoas carentes. 

A agenda vai ficando cheia… mas separando um tempinho para se organizar, o restante do tempo vai render mais… é só tomar a decisão e começar!

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A BÍBLIA QUE A DITADURA LEVOU - CAPÍTULO II

veja capítulo I
Domingo fiquei muito triste e chorei, com a notícia que alguém me contou…

A Bíblia da minha avó Zahia, aquela Bíblia em árabe, de capa vermelha, que a ditadura levou, deve ter sido queimada!!!!
Como tantos outros livros e documentos que se foram naqueles negros tempos nos anos 60… Ética? Sentimentos? Queimados todos os livros "comunistas"… quem me contou foi uma pessoa, servidora pública aposentada da ABIN.

E lá se foi a Bíblia de capa vermelha, o livro revolucionário, o livro que transforma corações e mentes…deve ter sido queimado também!

Eu já desconfiava que deveria desistir dessa busca. Liguei para o Arquivo Público, conforme me orientou a ABIN… fiquei triste, sim… queria muito aquela Bíblia! Era a Bíblia da minha avó Zahia, por quem ando tendo muito xodó!

Vejo a minha foto, aos dois anos, época em que ela morava conosco, "lendo" uma revista sobre JESUS… um pé calçado e outro descalço… parece que sempre fui mesmo assim: meio fora desse mundo, meio que de passagem por aqui, querendo ler muito sobre meu Mestre Jesus!

Eu queria ler, pegar, sentir, cheirar… queria ver, ter em minhas mãos, a Bíblia da minha avó!

Fazer o que? Eu queria saber se era uma Bíblia protestante ou uma Bíblia católica…

Mas isso, afinal, não é tão importante…

O mais importante é que as Palavras do Livro Sagrado ficaram guardadas no meu coração!

Se a Bíblia era católica ou protestante também não é importante, pois, afinal, o Evangelho é igual!

As palavras de Jesus e a mensagem do grande Amor de Deus por nós ficaram gravadas na minha mente e em meu coração!

E, se as chamas da fogueira que queimaram as páginas daquela Bíblia eram ardentes, mais ardente ainda é a chama do Espírito Santo em minha vida e em meu coração!


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

PSICÓLOGO - PROFISSÃO OU SACERDÓCIO?

"Mas você já faz curativo na alma…" Essas foram as palavras da orientadora vocacional para mim, quando eu tinha 15 anos de idade. Ela havia me indicado o curso de medicina e eu argumentara que não conseguia nem fazer um curativo em outra pessoa. Não suportava ver ferimentos. Mas havia dito a ela que participava de trabalhos sociais da igreja. Nunca me esquecerei daquele dia.  Foi com a saudosa psicóloga Edith Bensusan, que naquela época, ainda nem era formada em psicologia. Foi no ano de 1969. Ela era Orientadora Educacional do então Ginásio Moderno. Anos depois, quando eu mesma estudava Psicologia, foi que Edith Bensusan formou-se Psicóloga.

Edith Bensusan foi a primeira Psicóloga que influenciou a minha carreira, naquele dia, em que eu nem sabia o que era psicologia. E hoje, dia do Psicólogo, quero homenagear a ela e a todos os meus mestres e terapeutas, todos os que influenciaram o meu caminho e que me ajudaram a chegar até aqui.

Foram muitos… não teria como citar todos. Pois além dos professores, desde a Escola Normal, onde começou o meu gosto pela matéria, depois a graduação, depois tantas especializações…

Mas hoje, dia do psicólogo, quero homenagear também as psicólogas Corinta Maciel, minha primeira terapeuta, Christina Freire, que me supervisionou e me ensinou a ser terapeuta e o psicólogo Moacir Rodrigues, meu mestre e analista junguiano que me acompanhou por mais tempo.

Esses quatro, sem desmerecer todos os outros profissionais que também influenciaram o meu caminho, sem duvida, foram os que mais me marcaram e me ensinaram a ser terapeuta.

À Corinta, Christina e Moacir, que eu sei, acompanham os meus escritos, quero mandar o meu abraço no dia de hoje!

O que forma um bom terapeuta não é somente o seu conhecimento cognitivo. Independente da abordagem ou a área com que escolha trabalhar, o profissional ético, competente e coerente, deve submeter-se ao processo de psicoterapia, de análise, mesmo que opte em trabalhar nas diversas áreas da psicologia. Um dos principais instrumentos do psicólogo é a sua própria percepção e para que tenha  segurança para perceber o outro e as situações com clareza é necessário conhecer-se. É preciso investir em seu auto-conhecimento.  "Conhece-te a ti mesmo" É a primeira inscrição no portal de Delfos.

Além da graduação em Psicologia, é bom que saibam aqueles que se submetem aos processos, é longo o caminho que nós os terapeutas percorremos. É necessário um curso de especialização, no início ser supervisionado por um profissional mais experiente, estar sempre atualizado, participar de congressos, estar sempre sendo também cuidado por outro profissional mais experiente. Tudo isso exige investimentos. Por isso, uma hora de psicoterapia, que pode parecer cara para quem paga, na realidade nem sempre corresponde aos altos custos do investimento que é feito pelo psicólogo.

Os planos de saúde não valorizam o trabalho do psicólogo e chega a serem vergonhosos os valores que muitos deles pagam pelos serviços.  Muitos psicólogos trabalham por vocação, como um "sacerdócio"… precisam ter algum outro emprego ou renda, pois não conseguem sustentar-se só com o seu trabalho como psicólogos.

Eu estava neste ponto da minha escrita, quando parei para mudar o título deste post… pois de um relato para homenagear meus mestres e terapeutas, já estava a lamentar as dificuldades, os espinhos da profissão…

Foi quando recebi uma mensagem de um analisando, que transcrevo:
"parabéns pelo teu dia. Dia do psicologo!
Te agradecer pela profissional ética e cuidadosa que vc é!
Médica da alma, que com tuas "alquimias", cura nossas feridas.
Resgata de dentro de nos os"unguentos" que precisamos para seguir bem nossa caminhada.
Deus te abencoe e te ilumine!"

Fiquei feliz!  Apenas feliz! Um tipo de felicidade que vem de dentro, de saber que estou cumprindo minha missão. Que estou realizando o que vim realizar. A vocação que foi identificada aos quinze anos de idade está sendo cumprida. E isso é o que nos faz realizados. Como Maslow coloca, há diversos níveis de necessidades. A penúltima é a de reconhecimento e a última a de realização. Eu considero que já tenho alcançado esse último nível. Pois não são elogios, nem pagamentos, nem riquezas que me realizam, mas quando vejo a transformação do outro, a transformação verdadeira, a alquimia acontecendo, a cura verdadeira, da alma e do corpo, isso sim, me realiza, me completa! Isso sim, nutre a minha alma e me dá a certeza de que o caminho que escolhi trilhar, é o caminho da minha alma, é o caminho que já estava escolhido para que eu trilhasse, antes mesmo que eu soubesse escolher.

Parabéns a todos os psicólogos, formados e a todos os que não sendo formados, o são por vocação! Que Deus nos abençoe em nossos caminhos, enfermeiros que somos de almas, pois o verdadeiro médico, sabemos, não somos nós….

terça-feira, 21 de agosto de 2012

OÁSIS PARA A ALMA




Em meio ao burburinho de comerciantes e ambulantes disputando espaços e fregueses, gritos e produtos… entre sacoleiras se esbarrando, tropeçando trôpegas nas calçadas descalçadas, entre ruas esburacadas e mal cuidadas… escondida entre armarinhos, lojas de tem-tudo, bancas e semáforos… surge um portal com um nome…

Um nome de Santa! Um nome de Mãe! Um nome que acolhe, que abriga: Nossa Senhora!

Quem chega, logo acende uma vela! É o costume dessa Igreja,  Ortodoxa. Eu pouco conhecia e sabia sobre ela… mas há muito que ela me chamava, mal sabia eu, através do meu gosto pelos ritos antigos, pelo gostar de incenso e dos cantos sacros.

Fui buscar, num certo tempo, no budismo, esse meu gosto, mas não foi lá que me encontrei. Nem tão pouco na Igreja Católica Romana! 

Para mim, o verdadeiro templo espiritual, é o o nosso templo interior. O Self, o lugar do Sagrado dentro de nós. Cada um vivencia de uma forma própria, de acordo com as suas experiências de vida, de família, de infância. Na Igreja protestante tradicional, onde fui criada, sempre gostei dos hinos tradicionais. Eles me remetiam à minha infância e adolescência, época em que me apeguei muito à religiosidade. A melhor congregação, na minha opinião, é aquela em que nos sentimos bem, aquela em que nos sentimos fazendo parte do grupo, em que nos sentimos amados e acolhidos.

Mas na minha busca, sempre senti que algo me puxava para mais longe, lá para o oriente, para aquelas bandas de lá… onde Jesus nasceu e de onde vieram os meus avós! Foi de lá também que veio essa Igreja, que fiquei conhecendo outro dia, nessa minha visita a São Paulo, cidade que leva o nome de um dos santos que fundou essa igreja na cidade de Antioquia, que era antes na Síria, o país da minha avó Zahia! Uma Igreja que mantém a simplicidade do Cristianismo original, fraterno, ritual!

Já bem velhinho, foi que meu pai contou-me de suas lembranças. Ele foi batizado na Igreja Ortodoxa. Lembrava-se do cheiro do incenso, do ritual. Deve ser por isso que eu  me senti tão bem naquela missa. 

Um oásis para a alma, em meio a tanto tumulto comercial!

Uma parada sempre necessária em nossa vida!

Para mim, esse é um dos  papeis da Igreja em nossas vidas: não para nos fazer trabalhar, mas para nos fazer PARAR DE TRABALHAR! Para nos obrigar a DES CANSAR! Nossos CORPOS e nossas MENTES!

Um dia, uma hora para esquecer problemas, esquecer tudo e só SENTIR.

O incenso e a música sacra nos ajudam a entrar em contato com as sensações e estimular hemisférios cerebrais ligados à espiritualidade. Forma-se uma egrégora, que nos envolve, nos hipnotiza diante de Deus, diante do Sagrado que habita em nós!

A Eucaristia nos lembra a dádiva maior de Deus, o Seu Grande Amor por nós. O repartir do Pão, a preocupação e o cuidado. "O pão nosso de cada dia"… Ao final, o pão da missa é distribuídos aos presentes.

Saí alimentada!
Saí de lá nutrida!
Minha alma preenchida!
Mais do que pão para o corpo, pão para a alma!


Escrevi esta crônica quando visitei a primeira Igreja Ortodoxa do Brasil, que fica na Rua Basílio Jafet, no centro de São Paulo. O pároco é o Padre Ibrahin, egípcio, que pintou alguns dos novos ícones da Igreja. Visitei também a Catedral que fica ao lado da estação Paraíso do Metrô. Em Brasília a Igreja fica na QI 9, no Lago Sul. é uma Igreja rica em simbologias, ritualistica,  que conserva o Cristianismo original, fraternal.  Ao contrário do que se pensa, não é a "igreja dos árabes",  a maioria é de brasileiros que hoje se identificam e são bem recebidos! Vale a pena conhecer!


Para saber mais sobre a Igreja Católica Apostólica Ortodoxa de Antioquia:
http://www.catedralortodoxa.com.br
http://www.ecclesia.com.br
http://ortodoxia-psaltis.blogspot.com.br
Igreja Ortodoxa em Brasília

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

DONA CACILDA




Dona Cacilda… Era assim que todos a chamavam…

Nunca vou me esquecer daquela mulher de olhos claros, idéias firmes, posturas coerentes, temente a Deus!

Mulher virtuosa! Mulher de visão! Mulher empreendedora! Mas não para si! Não para enriquecer… empreendedora para a expansão do Reino de Deus!

Chegou em Brasília em 1957. Primeiro veio só! No poeirão em meio à construção de Brasília, procurou a Capela-escola da Igreja Metodista. Ficou ali por alguns dias, pesquisando todas as condições que aquela nova cidade em construção oferecia e voltou para buscar a família. Quando chegou aqui  no início de 1958, conforme me contou, trouxe  a sua família, todo o material para a construção da casa, toda a mudança e os mantimentos necessários para os primeiros meses.

Que mulher sábia! Que mulher planejadora! Que mulher de fé!

Dona Cacilda Rosa Bertoni, foi uma das pioneiras de Brasília! Foi a primeira Enfermeira a chegar no Distrito Federal e foi quem organizou o atual Hospital de Base.

Foi uma das fundadoras da Igreja Metodista no Distrito Federal, desde o primeiro ponto, no Núcleo Bandeirante e depois, quando morava na Asa Norte, foi quem começou uma Escola Dominical no bloco onde morava, dando origem à Igreja Metodista da SQN 406.

Dona Cacilda foi Prefeita da SQS 114. Recebeu com mérito o título de Cidadã Honorária de Brasília.

Poucas linhas não são suficientes para contar quem foi Dona Cacilda. Nem ao menos o livro de sua biografia carinhosamente preparado pelo seu filho, Carlos Horácio, vai dar para contar quem foi essa extraordinária mulher…

Só quem conheceu Dona Cacilda sabe do que estou falando… Ela passava, para todos, LUZ!

Sua vida foi LUZ! Ela iluminava a todos nós!

Hoje ela descansou junto ao Pai!

Sou grata a Deus pela vida de Dona Cacilda!

Sou grata pelo privilégio de te-la conhecido, de ter ouvido suas sábias palavras e conselhos!

Sou grata porque ela deixou esse rastro de luz entre nós! O perfume do amor de Deus que exala e envolve nossos corações!

As sementes que ela plantou entre nós, em nossas mentes e corações floresceram, se tornaram árvores frondosas e se multiplicaram em frutos saborosos que produzem sementes e também se multiplicam infinitamente.  Nós, suas discípulas e discípulos, suas filhas e filhos espirituais, somos incontáveis, criados, não só com palavras, mas pelo seu exemplo de vida coerente, severa e amorosa!

Descanse em paz, no Senhor, Dona Cacilda! Os anjos do Senhor a recebem com louvor! Os céus se alegram com a sua chegada!

Todos nós choramos a sua partida. Mas em nós a sua vida se perpetua pelas sementes que floresceram  em nossas vidas! Agradecemos ao Pai, abençoados que fomos pela presença de sua vida santificada entre nós!



Minha homenagem à Cacilda Rosa Bertoni 1919-2012  
Meu afetuoso abraço aos queridos amigos Carlos Horácio, Silvia e Cesira, seus filhos, seus cônjuges e seus filhos.

Culto de Ação de Graças, sábado, dia 18 de agosto, às 11h, na Igreja Metodista da Asa Norte, localizada na SQN 406 – Área Especial 1, onde o corpo será velado a partir das 9h. O sepultamento será realizado às 14h30 no Cemitério Campo da Esperança(704-A)

Foto cedida por Quico Fagundes - tirada por ocasião do aniversário de 80 anos de seu pai, Aldo Fagundes. Quico  contou que naquele dia, no final da festa, enquanto esperava o taxi, Dona Cacilda se deliciava na mesa dos doces… "mas Dona Cacilda", disse o Quico, "e a senhora pode estar comendo doces assim?" com esse sorriso maroto, ela respondeu… "tenho que aproveitar que estou longe dos filhos"…  Naquele dia tive a grata oportunidade de também sentar com ela e conversar longamente…. quero guardar comigo essa lembrança!

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A Bíblia que a ditadura levou...

Onde será que está a Bíblia em árabe que pertencia à minha avó Zahia?

Essa é uma pergunta que eu tenho feito.

Lembro-me bem dessa Bíblia que estava lá em casa e foi confiscada em uma das "visitas"à nossa casa, em 64, conforme relatei à jornalista Nara Alves, que escreveu matéria publicada no portal IG:
http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-07-20/comissao-da-verdade-pode-ignorar-casos-de-menor-repercussao.html

Concordei em dar a entrevista, não para me fazer de vítima, nem para reivindicar alguma coisa. As marcas deixadas já trabalhei em anos de análise que fiz.

O que me fez dar o depoimento é a Bíblia! A Bíblia que foi levada… a Bíblia que deve  estar em algum porão esquecida…  É uma Bíblia em árabe! Levaram pensando tratar-se de algum livro comunista! De fato: aquele é um livro que fala de socialismo! Não de um socialismo materialista, um socialismo que leva a querer para si! Aquele livro, a Bíblia, fala de socialismo, sim! Fala de justiça e de igualdade! Mas de um socialismo idealista! Um socialismo que leva, por amor ao outro, querer para todos!

Foi na Bíblia, que meu pai, Adelino Cassis, líder sindical, cassado e perseguido pela ditadura, aprendeu com sua mãe Zahia, uma mulher árabe cristã, que veio parar no Brasil, justamente por ser cristã, as bases do socialismo e coerência que pautaram a sua vida!

Aquela Bíblia veio com ela, de navio, no início do século passado! Atravessou mares, trazendo lições de fé, amor e justiça! Mas também, e nisso ela e meu pai eram enfáticos, lições de honestidade!

Meu pai contava que ele queria cursar Direito quando jovem e ela, sua mãe, foi contra. Na sua visão, dizia que "todo advogado mente e crente não pode mentir"!

Meu pai, Adelino Cassis, foi um dos fundadores da CUT no DF e muitos insistiam para que ele entrasse na política. Ele nunca quis. Dizia que esse não era o seu objetivo!

Quando penso na Bíblia que deve estar esquecida em algum lugar desse Planalto Central, lembro que os ensinamentos da Bíblia vem sendo esquecidos por muita gente que chegou ao poder por aqui…

Onde será que foi parar a Bíblia em árabe da minha avó?




segunda-feira, 16 de julho de 2012

O vaso do oleiro

Meu avô materno João era oleiro. De suas mãos calejadas saíram os tijolos artesanais da construção do templo da Igreja Presbiteriana de Catanduva!

Gosto de lembrar disso! Gosto dessa imagem! Gosto de saber que tenho essas raízes! Meu avô João, fazia tijolos, minha avó Maria fazia crochê! Tenho essas raízes na simplicidade do fazer coisas artesanais. Tenho essa raiz no Cristianismo! Pelo lado do meu pai, meus avós chegaram ao Brasil por causa da perseguição ao cristãos! Miguel e Zahia, imigrantes sirio-libaneses! Meu avô Miguel trabalhava com café. Minha avó Zahia cozinhava!

Hoje temos o Zahia Café & Kebab, uma casa abençoada! Um Café com as receitas herdadas, tanto da vó Zahia, como da minha mãe. Uma mistura de cozinha árabe e mineira.

No mesmo prédio, começa a funcionar o Espaço de Cultura, Arte e Espiritualidade, onde fazemos de tudo um pouco: Crochê, com a minha amiga/irmã, Irene, Teatro/Cinema com a nova amiga Sol de Barros e Artes plásticas e Artesanato. Lá, trabalhamos também com argila, resgatando o lado oleiro herdado do meu avô João!

E foi essa a mensagem que me veio essa manhã: a mensagem da botija quebrada (Jeremias 18 e19). Essa é uma figura utilizada para falar àquele povo sobre uma determinada situação. Eu gosto dessa imagem figurativa.

Quando estamos trabalhando com argila, às vezes o trabalho, antes de secar, quebra-se ou não conseguimos fazer do jeito que desejamos. Fica difícil consertar. Você tenta consertar de um jeito ou de outro, mas nunca fica do jeito que você gostaria que ficasse. O melhor é desmanchar tudo, juntar a argila num bolo novamente e começar tudo de novo.

Pode parecer simples quando estamos descrevendo. Mas para quem está trabalhando com a argila nem sempre é fácil. Existe o conflito, pois não queremos nos desapegar daquilo que já estamos construindo. Sempre achamos que ainda daria certo consertar. Mas o remendo vai ficando cada vez pior.

Em outras situações, a melhor solução é realmente aproveitar o material que já estava sendo feito e, a partir daquele objeto, fazer alguma outra coisa. Mas, geralmente, é algo completamente diferente daquele projeto inicial. De qualquer forma, é preciso desapegar-se da idéia inicial.

Esse princípio se aplica em nossa vida pessoal, quer nos relacionamentos, nos negócios, na carreira profissional.

Em qualquer situação, a primeira lição é a necessidade do desapego! É preciso deixar para trás as coisas antigas, os pensamentos antigos, o jeito antigo de ser, para possibilitar um jeito novo de ver novos horizontes. É preciso ter essa coragem, correr esse risco!

Não necessariamente romper os vínculos com pessoas e sociedades, fazer mudanças bruscas na vida. Mas mudar atitudes! Flexibilizar pensamentos. repensar caminhos! Ter coragem para recomeçar!

A principal mudança é interior! O vaso que precisa ser quebrado, moldado, é a nossa própria vida!

É preciso desmanchar, quebrar o vaso do oleiro, para construir um vaso novo, belo e formoso, certamente muito maior e melhor do que o antigo. Certamente esse vaso novo será o melhor para nós, para todos que nos cercam e para sociedade1


domingo, 24 de junho de 2012

São João, o Santo do Amor!


Hoje é dia 24 de junho, dia de São João!

Até hoje não entendo porque as moças fazem promessa para o outro santo, quando querem se casar… 

Pelo que sei, é São João quem entende de amor!

De santo mesmo, não posso dizer nada… não fui criada na Igreja Católica! Tinha inveja das minhas amigas pois a missa delas era mais curta que a minha igreja e sobrava mais tempo para brincar. Mas, em compensação, achava a Escola Dominical mais divertida que as missas, que no meu tempo de criança, pelo que sei, ainda eram rezadas em latim. Mas hoje, ainda bem, os tempos mudaram e as igrejas também!

Sempre gostei de ler a Bíblia e de ler as suas histórias, desde o tempo em que me entendo por gente! Desde o Antigo ao Novo Testamento. Não tem livro de saga melhor!

Na adolescência, lia romance, poesia e sonhava  com os Cânticos de Salomão! Quando me separei, me jogaram pedras, e eu me abriguei atrás de Jesus! Na maturidade, busquei sabedoria em Eclesiastes e por toda a minha vida li os Salmos na minha dor!

Mas hoje, dia de São João, o Santo que, para mim, é o Santo do Amor, quero lembrar de uma história que o tal santo contou, que é, para mim,  a melhor historia de Amor!

Havia uma mulher que foi tirar água num poço, pois naquele tempo não tinha essas comodidades que temos hoje. Quem queria água tinha que ir no poço buscar e ainda dava graças a Deus de ter poço e ter água no poço e ter com que tirar água do poço. Chegando lá viu um homem sentado que lhe pediu água. Ela ficou admirada, pois era de Samaria e ainda mulher… duas categorias desprezadas por aquela região. Ela não estava acostumada com aquilo. Ela era uma excluida da sociedade e foi tratada de forma igualitária. O tal homem,  o próprio Messias que estava sendo aguardado, se revelou. Não só se revelou, mas revelou fatos da vida dela: que já tinha tido vários relacionamentos e parece que não tinha muita sorte no amor! Nada diferente do que muitas mulheres vivem hoje em dia, mas naquele tempo isso era um escândalo! 

Eu fico imaginando, lendo a descrição da cena, contextualizando no tempo histórico, como aquela mulher era tratada por todos os homens. Ela devia ser vista como objeto, desrespeitada… Jesus a tratou com respeito! Foi um ato de Amor!

Aquela mulher que entregava seu corpo, carente de amor, recebe o Amor maior, de Graça! 

Tem história de amor mais linda do que essa?

Aquela mulher saiu correndo, contando a todo mundo que tinha encontrado o Messias! Fico imaginando a cena: A alegria daquela mulher! A cura da sua ferida emocional! 

Pela primeira vez, tratada com dignidade, com carinho, com Amor! 

O Verdadeiro Amor de Deus, que nos recebe e nos acolhe, como somos, sem pedir nada em troca… apenas que aceitemos o sEu Amor!

Tenham um bom dia de Amor!

sexta-feira, 22 de junho de 2012

MEU NOVO AMOR!

Foi só mudar a foto do Face, e já vieram novas cobranças, sobre o meu estado civil…

Incrível, como as pessoas não conseguem acostumar-se com as opções diferentes. Mesmo com a minha idade, ainda querem me arranjar casamento!

Mas quem me conhece na intimidade, sabe que de fato, não passo minhas noites sozinha. Vou abrir o jogo e revelar a verdade: sempre tenho um companheiro. Sou discreta porque essas relações não duram mais do que uns três anos. Nem revelo os seus nomes. Para todos uso o mesmo apelido: Dom Quixote!

Recentemente troquei de companheiro. E, confesso, ando meio apaixonada…

Ele é magro, ágil, me atende em tudo o que preciso. Num minuto, está "pronto".

Já estava de paquera há algum tempo… mas, ainda presa ao antigo, fiel companheiro por um bom tempo, tinha pena de abandona-lo! O velho… coitado! Já andava falhando e me deixando na mão quando eu mais precisava. Além, é claro, de ser pesadão e nem sempre poder me acompanhar nos meus compromissos sociais. Quando eu menos esperava ele cochilava…

Mas no último final de semana, o velho pifou! Perdi a paciência, não resisti e fui atrás do meu novo amor!

Não via a hora de colocar nele as minhas mãos… E graças a essa atitude estou, nesta madrugada insone,  acompanhada,  escrevendo essa crônica, do meu novo Macbook Air, meu novo Dom Quixote de La Mancha! Meu Cavaleiro Andante, que me leva às nuvens e a viajar pelo mundo da internet. Leva-me a visitar amigos por esse mundo afora,  a realizar os sonhos meus e seus... já que os dele, ficaram nos livros de Cervantes… e na fantasia de todos nós!

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Programa caseiro - Revista do Correio - Correio Braziliense

Programa caseiro - Revista do Correio - Correio Braziliense


Programa caseiroA chegada do friozinho é um convite para cozinhar em casa. Para não perder o prazer de se aventurar no fogão, que tal receitas fáceis e práticas?

Publicação: 17/06/2012 08:00 Atualização: 15/06/2012 12:30
O frio convida ao abraço, seja ele da pessoa que você ame ou de um edredom macio ao ponto de imitá-la. Por isso, a coluna dessa semana não encontrou apenas um, mas três chefs que resolveram nos mostrar receitas para quem quer aproveitar o inverno em casa. São pratos que vão do leve ao sofisticado, todos fáceis de fazer.
 (Carlos Vieira/CB/D.A.Press)

 (Carlos Vieira/CB/D.A.Press)
Ingredientes
250g de lentilhas
1 cebola grande (150g)
100 gramas de massa Ave Maria
100 ml (duas colheres de sopa) de azeite de oliva
Sal a gosto
Modo de fazer
— Escolha a lentilha, lave e cozinhe em 2 litros de água até ficar bem macia (pode ser na panela de pressão). A lentilha deve ficar desmanchando para engrossar o caldo.
— Enquanto a lentilha está cozinhando, pique a cebola, bem miúda. Aqueça o azeite e doure a cebola. É importante que ela fique dourada, nem cozida, nem queimada, pois esse ponto é que vai dar o gostinho especial da sopa.
— Acrescente a cebola dourada às lentilhas cozidas, acrescente a massa, acerte o sal e a quantidade de água e, quando começar a ferver, deixe cozinhar pelo tempo indicado na embalagem da massa (depende da marca).
— Sirva em seguida, acrescentando mais cebola dourada, ou outros temperos, se preferir.
Rendimento: 1 porção
Tempo de preparo: De acordo com o tempo de cozimento da massa
Serviço:
CLSW 300B, bloco 3, loja 21 Sudoeste
De segunda a sábado, das 7h às 23h.
Domingos, das 8h às 22h.

terça-feira, 12 de junho de 2012

O AMOR ESTÁ NO AR...

Hoje o amor está no ar, nos olhares, nos suspiros nos corações!

As casas que vendem flores, chocolates, perfumes e lingeries, com filas e promoções! Os salões de beleza com as agendas programadas, ou lotadas! À noite será a vez dos restaurantes, cafés romanticos e dos motéis!

Quem tem alguém, quer se aprontar, quer sair, presentear e namorar!

Mas há pessoas que vivem só! Umas ficam tristes nestas datas, outras não estão nem aí!!!

Mas o meu recado hoje, dia em que se comemora o amor, é para você que, feliz ou infeliz, está só!Você que já pode ter tido alguém, ou nunca ter tido ninguém!

Quero falar com você hoje, pois hoje é o dia do AMOR!

Não é preciso ter namorado, namorada, marido, esposa, ficante, ou amante...

AMOR não tem haver com o outro! Amor, tem a ver com a gente mesmo!

Por isso, comemore hoje o dia do Amor!

Arrume-se, perfume-se, mande flores, marque sua hora no massagista, vá ao seu restaurante preferido, assista o filme que preferir!

Faça tudo isso para agradar a  pessoa que mais merece o seu amor! VOCÊ!

Nunca esqueça a lição do grande Mestre: "Amaras o seu próximo como a si mesmo".... Nunca ame ninguém mais do que você se ama! Nunca faça pelo outro mais do que você deve fazer por si mesma/o. Nossa primeira e maior responsabilidade é conosco mesmo! Nos amando e cuidando de nós mesmos, procurando ser felizes, vamos alegrar e fazer bem às pessoas que estão ao nosso redor! Com certeza seremos amados por todos! Muito melhor do que ser amado por somente um!

Não se envergonhe de ser só, sair só, fazer seus programas preferidos, mesmo sem ter companhia de outra pessoa!

A melhor companhia, você tem ao seu alcance, que é a do Criador, que nos ama como somos, sem cobranças, sem mentiras, sem traições!

Portanto, comemore!

HOJE É O DIA DO AMOR!

domingo, 10 de junho de 2012

FÉ MENINA

Não sei porque os púlpitos são ocupados em sua maioria por homens!

Quando entro nas igrejas, quem mais vejo são mulheres.

Minha herança de fé é bem feminina. É uma  "FÉ menina"!

Primeiro veio pela minha vó Zahia. Ela veio da Síria porque era cristã. Foi na primeira leva dos imigrantes perseguidos pelo islamismo.

Vó Zahia era uma mulher de fé e de fibra. Acordava cedo, enrolava os charutos, deixava cozinhando no fogão a lenha e saia escondida para a igreja levando os filhos pequenos. Convivi pouco e quando era bem nova com ela, mas sua imagem ficou bem marcada. Lembro de sua Bíblia em árabe que ficou em nossa casa e que um dia a ditadura militar levou...

A vó Maria, conheceu a igreja, através de sua filha, minha tia Ondina (outra mulher), que fazia questão de levar todos os irmãos menores para a casa do Senhor! Vó Maria era crocheteira. Suas hábeis mãos, teciam tramas e redes. Finíssimas linhas se entrelaçavam formando belíssimas peças para presentear as filhas, noras e todas as pessoas que amava. Ia tecendo o crochet e tecia as vidas que se entrelaçavam em volta da sua mesa sempre deliciosa e farta.

Depois veio a minha mãe, que enfrentou a invasão da ditadura em seu lar com a frase: "Aqui vocês só vão encontrar muita fé em Deus! Fazia questão de nos levar à Igreja!"

E eu, que tive o privilégio de nascer abençoada por duas avós, desde menina gosto das coisas de Deus, das coisas do meu Pai, o Criador!

Desde criança, sempre gostei muito de ler a Bíblia e fiquei muito feliz, quando aos 18 anos, tive a oportunidade de ter o meu primeiro emprego na Sociedade Bíblica do Brasil, uma grande organização, que completa hoje 64 anos e que tem como missão Semear a Palavra que transforma Vidas!


É na Bíblia que eu me delicio  com as história de mulheres que, mesmo na tentativa de serem silenciadas pelo histórico autoritarismo masculino, influenciaram a História da Humanidade, do Cristianismo e de nossas vidas!


Desde a história, verdeira ou simbólica, que seja, de Eva e Adão, em que ela leva a culpa pela dupla fraqueza dele (de ter sido levado pela sugestão e a de não ter assumido o sua própria responsabilidade), temos um rico material para análise, tanto da ponto de vista histórico, como cultural, sociológico e religioso.


Outra história que gosto é a de Ruth e Noemi. Um verdadeiro manual de sedução e conquista! Noemi era a sogra e Ruth, a viúva do filho de Noemi. Ao contrário da maioria das histórias de competição entre sogras e noras, ali há uma forte aliança, onde a sábia Noemi, articula uma estratégia e orienta Ruth para que ela consiga um bom casamento, já que naquela época, como as mulheres não trabalhavam fora, dependiam financeiramente dos homens.


São muitas as histórias do Antigo Testamento, de mulheres fortes e sábias que conseguiam driblar o autoristarismo do forte patriarcado da antiga cultura judaica. Mas atualmente já é diferente. Fiquei sabendo, por exemplo, que se, na cultura judaica, um homem não satisfizer a mulher na cama é motivo justo para ela pedir o divórcio. Estão mais avançadas do que nós brasileiras... em nossas leis não existe tão claramente esse quesito!!


Mas são nos Evangelhos onde se encontram as melhores histórias de valorização das mulheres. A cada encontro de Jesus com as mulheres Ele fazia questão de deixar bem claro a sua posição e a mensagem de Deus que é igualitária.


A própria genealogia de Jesus já deixa as coisas bem claras: Ele nasceu descendente de Ruth e de uma outra mulher cuja história causa muita polêmica: Bate-Seba, que tinha sido mulher de Urias. Um caso de adultério do Rei Davi. Jesus defendeu e valorizou as mulheres em vários episódios relatados, principalmente as mulheres excluídas, consideradas de moral duvidosa.


Quando leio o Evangelho, fico pensando como Jesus estaria analisando as igrejas hoje. Qual seria sua postura em relação aos nossos atuais costumes, com tanta gente vivendo de forma diferente das tradicionais?



Eu, nesses assuntos, não tenho autoridade para opinar. Não sou teóloga, nem entendida...


Tenho apenas uma Fé menina...

terça-feira, 5 de junho de 2012

GERENCIANDO O TEMPO - APRENDENDO A DIZER "NÃO"

Queridas amigas e amigos,

Aqui vai mais uma dica para aprender a gerenciar o tempo, essa preciosidade, que está cada vez mais rara hoje em dia!

Aprender a dizer uma palavrinha tão simples, mas tão difícil de dizer: "NÃO"!

É sempre assim: estamos sempre com muitas coisas para fazer e o outro chega de mansinho,  vai pedindo com aquele jeitinho e não sabemos como negar. E ai... caímos na armadilha! Aceitamos a incubência de fazer algo que, já de antemão, sabemos que não teríamos tempo para fazer. E, certamente, teremos que sacrificar o nosso tempo de lazer, o tempo com nossa família, com nossos amigos, o nosso tempo de descanso, o nosso tempo de meditação,  o nosso tempo com Deus!

Porque essa dificuldade de dizer um singelo NÃO???

As causas são muito diversas, mas, a mais comum que podemos citar, sem medo de errar, é a necessidade de aceitação. Pessoas que necessitam  serem aceitas pelos outros tendem a ter mais dificuldade de dizer NÂO!

É como se elas temessem perder o amor do outro. E de fato correm esse risco. Mas, se o amor do outro for verdadeiro, certamente ele entenderá que a negativa foi por uma causa justa. Amigo de verdade entende as razões do outro. Mas se for "amigo" só por interesse, a hora que você não puder atende-lo, ele vai virar as costas para você. E aí eu pergunto:  será que vale a pena manter esse tipo de "amigo"?

São algumas reflexões para o dia de hoje. Que possamos refletir sobre  o assunto. Até que ponto eu estou me deixando levar pelas expectativas dos outros, sem levar em consideração as minhas próprias necessidades, meu próprio tempo, meus proprios projetos? Fica para você pensar...

Meu afetuosos abraço,
Dulcinéa

GERENCIANDO O TEMPO - TECNOLOGIA A NOSSO FAVOR

Queridas amigas e amigos,
Nesses tempos de rápidas mudanças e tantas inovações tecnológicas, temos observados alguns fenômenos que têm se transformado em verdadeiras síndromes.
Não vou me deter nas que atingem os adolescentes, mas naquelas que tenho observado nos próprios adultos, que é o meu público.
Observo que há três tipos de comportamentos em relação à tecnologia:
- aqueles que se negam a utilizar a tecnologia. Ou por que não conseguem acompanhar pelos altos custos, ou porque teimam em querer dizer que são "das antigas", ou porque acham que tudo isso é muito complicado;
- aqueles que acompanham, de forma consumista. Querem ter sempre os últimos modelos de smartphones, tablets, mas fazem uso apenas para jogos, usam as redes sociais apenas para passar o tempo etc;
- aqueles que acompanham as rápidas mudanças, absorvem e estão utilizando adequadamente para o seu trabalho, para contactar amigos e para gerenciar o seu tempo;

Aqui vai o meu recado para cada um dos três perfis:

Para os primeiros: - Usar tecnologia, não é tão difícil como parece... aceitar novos desafios, estimula nosso cérebro, o que é muito importante depois de um certa idade. Não podemos nos acomodar. Nem o corpo, nem a mente. Afinal, a medicina não está nos deixando ir embora tão cedo. E se é para viver muito, que vivamos bem! Quantos aos custos, não precisa seguir tanto a onda. Como estão sempre lançando modelos novos, há boas ofertas de aparelhos ainda bem atualizados. Procure algum curso para iniciar seu conhecimento. Todo universo novo assusta um pouco no início, mas depois que você conhecer essa nova linguagem, vai verificar o quanto é bom estar conectado com o mundo.

Para os segundos: Tecnologia é uma "faca de dois gumes"! Redes sociais, podem aproximar você das pessoas que moram longe e que você não tem como encontrar sempre, mas cuidado! "Nada em excesso"! Pode afastar das pessoas que estão mais perto de você! Não utilize a internet e as redes sociais, como um refúgio para evitar os conflitos com as pessoas que estão ao seu redor. A melhor convivência, a mais gostosa, é aquela em que a gente pode sentar, conversar, "cara a cara", "olho no olho", pode se abraçar! É muito chato conversar com uma pessoa, que ao invés de olhar para você, está com os olhos no celular jogando...

Para os terceiros: É isso aí! Vamos utilizar a tecnologia a nosso favor! Tirar bom proveito para economizar o nosso tempo e poder aproveitá-lo melhor. Assim, teremos mais tempo para o lazer, para a família, para conversar pessoalmente com nossos amigos e família!

Tenham um bom dia, com essas reflexões sobre relações humanas,  que posso fazer, através da tecnologia, de minha casa, assim que acordei, gastei menos de meia hora e minhas amigas e amigos, clientes e ex-clientes poderão receber esse recado daqui a pouquinho!!!

Meu afetuoso abraço de longe a todos, já que não posso abraçá-los de perto agora!
Dulcinéa