sábado, 18 de dezembro de 2010

PISCA-PISCA

E agora, já é Natal!

Os shoppings já estão enfeitados, as vitrines lotadas com novos artigos! Já começamos a receber os cartões de Natal virtuais, agora sem a preocupação de atrasos do correio tradicional.

Outro dia estive numa agencia de correios... Não, não era para enviar cartas, nem cartões! Foi para pagar uma conta. Evitando enfrentar fila de banco, lá fui eu, no correio, que agora também é Banco.

Havia um tempo em que, para se pagar uma conta, era preciso enfrentar as filas de banco. Nada de internet, nem ao menos débito automático. O computador dos bancos era central. Era uma máquina enorme, o tal do grande porte, que de grande só tinha o hardware, pois qualquer smarthphone moderno parece ser mais poderoso do que aqueles elefantes de antigamente.

Havia um tempo em que para se enviar cartas, era preciso escrevê-las e postá-las no correio. Hoje, quando falamos em postar, estamos falando em blog, em twiter, em Facebook... Atualmente nem e-mail é novidade... Agora já virou rede social!

Isso até daria um livro de Monteiro Lobato, sobre a reforma, não a da natureza, mas a da sociedade.
Sem querer ser saudosista, até porque prefiro os tempos de hoje, eu me lembro do tempo em que enfeitávamos a árvore de natal com os cartões recebidos. Hoje enfeitamos com as luzes pisca-pisca, que compramos por uma bagatela.

E a luz pisca, pisca...

Piscam os olhos da gente.

Pisca a vida, pisca a moça pro moço, pisca o moço pra moça.

Pisca o dinheiro que cai na conta da gente.

Piscam as oportunidades que passam.

Piscam os encontros e desencontros.

Pisca a vida num minuto! E cada minuto é precioso, porque o mundo dá voltas. Mas, os momentos...

Esses não voltam jamais!